O BYOD (sigla para Bring Your Own Device, ou “Traga o Seu Próprio Dispositivo”, em português) é uma política operacional que tem ganhado um número maior de adeptos diariamente.

Ela consiste na liberação do uso de equipamentos pessoais no ambiente corporativo, permitindo que profissionais incorporem seus smartphones, tablets e notebooks à sua rotina de trabalho. Dessa forma, a empresa consegue reduzir custos, manter a sua infraestrutura mais atualizada e ganhar vantagem competitiva frente a seus concorrentes com uma gestão de equipes mais eficaz.

Porém, a implementação do BYOD traz uma série de desafios para o gestor. Confira os 3 maiores a seguir!

1. Controle sobre o número de dispositivos conectados às redes internas

O controle sobre a infraestrutura de rede é um fator crítico para empresas que pretendem manter as suas comunicações ativas e os processos integrados à web com alta disponibilidade e segurança. Saber como, quando e quais aparelhos estão conectados às redes internas do negócio evita ataques, reduz o número de problemas e impede que falhas operacionais tornem-se frequentes.

Com o BYOD, a gestão da infraestrutura de rede torna-se mais complexa. Não só o número de dispositivos conectados à rede interna será elevado como também aumenta a chance de o setor de TI não conseguir controlar os equipamentos de forma satisfatória.

Para evitar que isso se torne um grande problema, invista em regras de controle e segmentação de redes. Crie grupos de usuários e mantenha os equipamentos em domínios separados. Isso reduzirá o impacto causado por falhas e permitirá que a empresa avalie com maior precisão a maneira como os recursos são utilizados.

2. Aumento do número de brechas de segurança

Uma dos principais perigos do BYOD está relacionado à segurança digital. Com o aumento do número de dispositivos, torna-se mais complexa a gestão de políticas de segurança digital e privacidade. A empresa vai permitir a inserção, dentro de sua infraestrutura, de equipamentos que não foram configurados inicialmente de acordo com as normas internas

Para impedir que isso se torne um grande problema, é importante que os processos de gestão de TI sejam modificados, incorporando normas para o uso de dispositivos pessoais dentro do ambiente corporativo.

Além disso, soluções de monitoramento podem ser implementadas para ampliar a capacidade do negócio de rastrear ameaças. Assim, a inclusão de novos equipamentos não se tornará uma porta de entrada para ataques de malwares.

3. Aumento do número de aparelhos incompatíveis com os softwares de TI internos

Uma gestão de equipes eficaz garante que todos os profissionais terão os dispositivos e softwares necessários para o trabalho diário. Nesse sentido, o BYOD tem como um de seus grandes desafios a necessidade de garantir que os softwares utilizados pelo negócio sejam compatíveis com os aparelhos dos seus profissionais.

Para contornar esse problema, uma alternativa é a homologação dos equipamentos que serão utilizados no ambiente interno. A empresa pode restringir o BYOD apenas a aparelhos que estejam dentro de um certo perfil de configurações, como um sistema atualizado ou o uso de determinados softwares de segurança.

Dessa forma, os processos internos serão mantidos com a mesma performance e qualidade.

O BYOD pode trazer grandes benefícios para a gestão de equipes e o negócio como um todo. Se você gostou desse texto e quer conhecer outras formas de melhorar a rotina da sua empresa, assine já a nossa newsletter!